Notícias

Consumidores contra empresas de telecom: os casos mais polêmicos

 Casos envolvem Apple, Claro, Nokia, Samsung e TIM.

Empresas do setor de telecomunicações – sejam operadoras, sejam fabricantes – são constantemente questionadas por consumidores ou entidades de classe. Caso recente foi o da Samsung, alvo de processo judicial na Austrália. De acordo com a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC), a empresa faz afirmações falsas em anúncios relacionados a smartphones resistentes à água. O órgão afirma que os celulares não podem entrar no mar e em piscina, ao contrário do que diz o material publicitário.

O processo ainda está em andamento, e a Samsung garante que suas peças publicitárias não estão irregulares. Como este não é um caso isolado, o TechTudo separou algumas das principais polêmicas envolvendo empresas de telecomunicações e clientes.

Acompanhe algumas polêmicas envolvendo empresas de telecomunicações — Foto: Ana Marques/TechTudo

Acompanhe algumas polêmicas envolvendo empresas de telecomunicações — Foto: Ana Marques/TechTudo

Apple acusada de forçar clientes a comprarem novos carregadores

Apple foi alvo de processos judiciais nos Estados Unidos, em 2016, acusada de lançar uma atualização do iOS que causava incompatibilidade entre smartphones e carregadores. A autora do processo, Monica Emerson, destacou que comprou o iPhone 7 exibia uma mensagem dizendo que “Este acessório pode não ser suportado”, referindo-se ao adaptador original da empresa. A marca foi acusada de práticas comerciais desleais, entre outras acusações.

Uma atualização no iOS forçava os clientes a comprarem novos carregadores para o iPhone — Foto: Divulgação/Apple

Uma atualização no iOS forçava os clientes a comprarem novos carregadores para o iPhone — Foto: Divulgação/Apple

TIM leva multa por derrubar ligações de clientes

Em 2009, a TIM lançou o plano Infinity com ligações ilimitadas ao custo fixo de 25 centavos por chamada. O problema é que, de acordo com ação movida pelo Ministério Público do Distrito Federal, a empresa derrubava as ligações após um determinado tempo, forçando o consumidor a realizar uma nova chamada e ser cobrado mais uma vez. A Justiça do Distrito Federal condenou a operadora a pagar R$ 50 milhões por danos morais coletivos.

Após a condenação, a TIM se defendeu usando dados da Anatel, dizendo que a agência “confirmou a inexistência de qualquer indício de queda proposital das ligações”, este argumento foi utilizado tendo como base um relatório de maio de 2013. Outro estudo, também da Anatel, afirma que o cancelamento do plano Infinity, pelos usuários, foi quatro vezes maior que o de outros planos oferecidos pela empresa.

Apple acusada de vender iPhones com tela inferior

Dois consumidores da marca entraram com um processo, nos Estados Unidos, por conta de uma suposta propaganda enganosa com relação ao tamanho da tela dos iPhones com notch. Os modelos destacados no processo foram iPhone XiPhone XS e iPhone XS Max.

A ação descreve que a empresa conta o recorte superior (notch) como parte da tela, ignorando as bordas arredondadas. Com isso, o iPhone X era apresentado com display de 5,8 polegadas, sendo que, na prática, ele possui aproximadamente 5,6875 polegadas.

Outro problema relatado é com relação à resolução da tela, que também foi considerada como inferior ao que é prometido pela marca, que contabiliza pixels falsos para representar este dado. A Apple não comentou sobre o caso.

Claro é notificada pelo símbolo do 4.5G em peças publicitárias

No começo deste ano, o Procon de São Paulo notificou a Claro pelo uso do termo “4.5G” em cartazes e material publicitário. De acordo com o órgão, o trecho em que se lê “5G” está em um tamanho maior que o número anterior, dando a entender que uma cobertura de internet melhor está sendo oferecida. A empresa foi acusada de fazer “jogada de marketing” e prática abusiva, e o assunto virou destaque na mídia internacional.

Na ocasião, a operadora enviou o seguinte comunicado: “A Claro esclarece que seu logotipo 4.5G segue padrões internacionais. O tamanho da fonte já foi tema de discussão, no ano passado, no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), que reconheceu que a grafia do 4.5G da Claro está aderente às normas publicitárias e legais do Brasil.”

Claro é acusada de propaganda enganosa — Foto: Divulgação/Claro

Claro é acusada de propaganda enganosa — Foto: Divulgação/Claro

Galaxy e iPhone têm menos memória interna do que o anunciado

A associação de consumidores Proteste denunciou, em 2015, que os smartphones da família Galaxy, produzidos pela Samsung, e os iPhones trazem menos memória que o divulgado em peças publicitárias. A entidade entrou com uma ação na Justiça alegando “propaganda enganosa”. No caso considerado mais grave, a diferença chegaria a 33% no Galaxy S4 Mini. Já nos aparelhos da Apple, por utilizarem o mesmo sistema, a diferença seria 1,3 GB a menos que o anunciado.

Na época, a equipe do TechTudo foi informada pela Apple brasileira que a situação “é recorrente”, e que a empresa avisa que “o espaço pode ser afetado”. A Samsung informou que o site oficial traz os seguintes dizeres: “Parte da memória é ocupada pelos aplicativos e sistema operacional”.

Nokia acusada de propaganda enganosa no Lumia 920

Em 2012, a Nokia lançou o Lumia 920, que prometia uma câmera de destaque para a época. O problema é que, em um vídeo publicitário que deveria ter sido gravado com o celular, uma van com equipamento profissional foi flagrada em um reflexo da filmagem. O site The Verge foi o primeiro a notar o erro, confirmado pela marca posteriormente.

Após a polêmica, a Nokia pediu desculpas publicamente e declarou que as gravações não foram feitas com o Lumia 920, mas que “não teve intenção de enganar ninguém”.

Três jeitos de recuperar fotos apagadas do WhatsApp (e vídeos)

Truques gratuitos ajudam a recuperar arquivos apagados no mensageiro.

1. Pedindo para a pessoa que você enviou

Caso tenha clicado em “Apagar para mim” para deletar uma imagem, você ainda pode recuperá-la com a pessoa ou o grupo que você enviou. Ao escolher essa opção, a imagem é deletada de seu aparelho, mas não significa que ela sumiu para todos. Porém, caso você tenha excluído clicando em “Apagar para todos”, uma forma de recuperar é caso o contato para quem você enviou tenha compartilhado com outro usuário antes de você apagá-la.

Vale citar que existe um truque para ver mensagens apagadas no WhatsApp: usar o Notification History, um aplicativo gratuito para Android que permite ler o conteúdo excluído para todos no mensageiro. O mesmo app também possibilita ouvir áudios excluídos da plataforma. No entanto, não é possível visualizar imagens e vídeos com a ferramenta.

É possível recuperar a mídia apagada do WhatsApp se a pessoa para quem você enviou ainda tiver o arquivo — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

É possível recuperar a mídia apagada do WhatsApp se a pessoa para quem você enviou ainda tiver o arquivo — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

2. Restaurando de um backup

Outra forma de recuperar uma mídia perdida do WhatsApp é por meio de um backup. A versão do app para Android permite que isso seja feito com o Google Drive, enquanto a do iPhone (iOS) salva o histórico no iCloud. Também é possível fazer um backup local, salvo diretamente no dispositivo. Para que este método funcione, é preciso ter o recurso ativado antes que você tenha apagado o arquivo.

Passo 1. Para acessar o backup, clique no Menu, localizado na parte superior direita com o símbolo de três pontinhos. Em seguida, vá até Configurações > Conversas > Backup de Conversas;

Acessando o backup de conversas no WhatsApp — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

Passo 2. Na tela “Backup de conversas” é possível ver a data do backup mais recente, além da frequência com a qual ele está configurado. Você pode definir se ele será feito apenas via Wi-Fi ou também por conexão 3G/4G, além de incluir vídeos ou não. Para fazer backup por meio do Google Drive, é preciso selecionar uma conta do Google;

O WhatsApp permite que seja feito um backup local, armazenado diretamente no dispositivo — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

O WhatsApp permite que seja feito um backup local, armazenado diretamente no dispositivo — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

Passo 3. Se o arquivo foi apagado antes do último backup, você pode recuperá-lo desinstalando o aplicativo e reinstalando novamente. Após confirmar seu número, haverá um aviso para restaurar as mensagens que estavam armazenadas no momento do backup. Clique em “Restaurar” para que isso seja feito.

Restaurando o último backup encontrado após reinstalar o WhatsApp — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

Restaurando o último backup encontrado após reinstalar o WhatsApp — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

3. Verificando a pasta do WhatsApp no dispositivo

Este método funciona apenas para usuários do Android. O WhatsApp salva todos os arquivos de mídia recebidos e enviados em uma pasta no seu dispositivo. Mesmo que você tenha apagado uma imagem, é possível que ela ainda esteja nesta pasta.

Passo 1. Para acessá-la, baixe algum aplicativo de explorador de arquivos, como o File Manager ASTRO. Vá até Armazenamento Interno > WhatsApp > Media;

Acessando a pasta do WhatsApp através de um explorador de arquivos — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

Acessando a pasta do WhatsApp através de um explorador de arquivos — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

Passo 2. Você terá acesso às imagens em “WhatsApp Images”, aos vídeos em “WhatsApp Video” e até mesmo aos áudios em “WhatsApp Audio”. Ao escolher alguma das pastas de mídia, você verá todos os arquivos que recebeu. Para acessar o conteúdo enviado, clique em “Sent”.

O WhatsApp armazena todos os arquivos de mídia enviados e recebidos no dispositivo — Foto: Reprodução/Gabriel Santos

O WhatsApp armazena todos os arquivos de mídia enviados e recebidos no dispositivo